Quietude - Preto

Preto

Quietude

*Na compra do CD, Vinil, K7 ou VHS receberá imediatamente a versão MP3
TRACKLIST | DOWNLOADS
Play Previews (1:30)PLAYPreço
01 A Máquina Cinzenta
0.90€
02 1 2 3 Play
0.90€
03 Ainda Não Sei
0.90€
04 Intoit
0.90€
05 A Música do Piano
0.90€
06 Quietude
0.90€
07 Folk Cocktail Machine
0.90€
08 Interlúdio Neblina
0.90€
09 Nostalgiador
0.90€
10 Nada
0.90€
11 Umma
0.90€
"Trata-se apenas de um nome, que só significará alguma coisa (além de uma bonita cor) se forem ouvidas as músicas que o acompanham. Não gosto de nomes.
Tudo o que se possa dizer sobre a música não fará sentido e em nada adiantará. Neste caso existe como forma única de comunicação e expressão. Transposta em palavras, actos e comparações, muito dificilmente significará o mesmo. Contudo, este projecto pouco tem de conceptual ou de pré concebido. Do nada, do menos possível nascem as músicas, em contacto com o subconsciente e com os sonhos."
Reviews
06 Jun 2005 DN: Música
De Preto conhecia-se o projecto Precyz que dividiu com Cynthia Zamorano. Este Preto, está a milhas do de então, "este trabalho é muito mais consciente, maduro", diz João Roquette, "estou a estudar piano no Hot Club, os temas foram construídos ao longo de 4 anos... é tudo muito diferente". Quietude está proximo do Jazz, mas também tem electrónica, dub, beats. Será diverso porque abarca várias fases criativas, mas tem unidade, porque todos os elementos se conjugam nesta espécie de música cinemática.
Isilda Sanches
29 Abr 2005 Expresso: Actual
Seria quase fatal que um exercício de estilo que se alimenta de referências tão díspares como a guitarra do rock, o baixo do dub, o piano eléctrico do jazz, o piano acústico do minimalismo europeu, o breakbeat, o ambientalismo, o tecno, o psicadelismo, o «slow funk» e o hip-hop resultasse numa linguagem fragmentada em busca do norte. Mas há neste mundo reconciliado consigo próprio definição atmosférica, sentido de composição poética, capacidade de integração de fragmentos de memória (e, também, da circunstância acidental) numa realidade estética coerente e, sobretudo, uma fluidez de discurso que evoca o rio a correr seguramente para a foz onde o espera o mar da pop contemporânea.
Ricardo Saló
Outros albúns